Relacionamento aberto: cola ou não cola?

Ah, essa modernidade, o que fazemos com ela? Nos tempos dos meus pais, namorar com alguém era sinônimo de exclusividade, de perda de liberdade, de estar apaixonado por uma pessoa, onde “uma” não é um artigo indefinido. Atualmente, muito se fala sobre os relacionamentos abertos, que são nada mais do que a falta de um relacionamento fixo, firme e viável. Em minha opinião, um relacionamento aberto pode ser duas coisas distintas. Vamos lá…

O primeiro caso é das pessoas que não descobriram ainda o amor. Ficar com alguém por segurança e por gostar bastante não quer dizer que você está apaixonada por tal pessoa, não (achar que porque a pessoa é legalzinha é o amor da sua vida, NÃOO. se você achar isso, você tem probleminha e é bom procurar ajuda). É aquele lero-lero de sempre, você só vai saber que está amando quando, de fato, amar. Por isso, muitos jovens entram nessa onde de relacionamento aberto. A pessoa é querida o bastante para ser “namorado”, mas não é grande o bastante para ser único. Entende a relação? Quando você não gosta de verdade de alguém, quando você não está apaixonada, você não vai ligar muito para o que a outra pessoa irá fazer. Rola, de vez em quando, até um pouquinho de ciúme, mas tudo é passável.

O outro caso é quando as pessoas realmente se amam, mas, por alguma falha, deixam que o relacionamento tome proporções “estranhas”. É aquilo, você segue o tempo todo por um caminho correto e, sem querer, você desliza… E gosta. Os relacionamentos abertos criados por quem realmente se gosta geralmente vêm de uma relação que perdeu a graça e precisa de um apoio, uma novidade para se manter viva. Daí os cônjuges acreditam que a opção é variar. Por mais gostoso que se pareça na hora, a insegurança que isso irá criar em cada um pode gerar o final definitivo da relação.

Eu, que sou cabeça oca e venho vivido um tanto, aprendi que relacionamentos abertos definitivamente não são legais. Ou você ama alguém e se entrega totalmente para tal pessoa – de corpo e alma – ou fica disponível para poder variar.

Claro que isso é a minha opinião e você pode não concordar com nada do que eu falei. Se tiver interesse, leia “O Amor Líquido”, de Zygmunt Bauman e, devagar, tente entender como funcionam os relacionamentos atuais.

*Porra parece que só li Zygmunt Bauman na minha vida neh, é o livro que mais indiquei aqui =/

Mas o cara é bom mesmo, e vai te ajudar a entender uma porção de coisas!

E você, já viveu algum relacionamento aberto?

Anúncios

Sobre Gustavo Oliveira

22 anos, Publicitário, Mau-humorado, seco, sarcástico, cáustico, até brincalhão e simpático as vezes. Nem sempre.

Publicado em outubro 4, 2010, em Uncategorized. Adicione o link aos favoritos. Deixe um comentário.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: