Arquivo mensal: agosto 2010

'BlogDay'

Há tempos em que não mexia em nada, não arrumava e nem mudava de lugar as coisas guardas para relembrar o que tenho em meu baú. Dentro. Fora. Fazia muito tempo que não tirava o pó que se acumula por cima dos livros, das estantes, ou o que foi escondido sob o tapete. Não revirava minhas lembranças, jogava fora o que não precisava ou o que não queria mais.

Era a hora de mudar a energia, deixar o ventos levar o desnecessário, encontrar espaços para novos conhecimentos, deixar que a chuva molhe e traga a realidade esquecida. Vou trocar de música, escolher uma nova trilha, encarar novas aventuras, conseguir novas cicatrizes, limpar o fundo das gavetas, abrir as janelas e afastar as cortinas, escancarar as portas. Chegou o momento de rasgar o que é rascunho e guardar o que se fez documento, aceitar as verdades e vontades uma a uma; enquanto o sol nasce, despir a casa do desnecessário e até não sobrar quase nada, sobrar apenas o necessário, o que for essencial para que eu acorde melhor amanhã.

É engraçado como coisas simples nos fazem esquecer os problemas, ter um minuto de paz, um brecha para um universo paralelo na caótica rotina diária, e esse blog tem sido essa brecha, uma forma de desabar direta ou indiretamente, expressar minhas opiniões ou até mesmo dar um grito calado.

Escrevi tudo isso porque hoje é o ‘BlogDay’‘, um dia dedicado para os bloggers conheçam novos blogs e recomende os que gostam de visitar pela web a fora.

E como de praxe do dia irei colocar meu top de blogs favoritos com a esperança que vocês gostem de conferir tanto quanto gostam de ler minhas besteiras.
Segue meu top 5 de blogs favoritos.

1. por Danyelle Fioravanti
A cidade, as pessoas e o tempo.

2. por Marilia Sestari
Da janela do Fusca

3. por Caio Caprioli
Papel Pop

4. por Alexander Neumann
O Fashionisto

5. por Alexandre Taleb
Ataleb

Espero que tenham curtido as dicas.

Anúncios

Caminhos da vida…

A cada momento que passa, a vida nos propõe novos caminhos, atalhos e saído que se cruzam e se distanciam de acordo com nossas escolhas, até chegar na sala circular onde você se depara com as verdades.

Ao percorrer esses caminhos, sempre temos a esperança de chegar ao final o mais rápido possível, encontrar uma solução, mas nem sempre uma solução existe, e estamos apenas andando na escuridão sem saber onde estamos e com o que vamos nos deparar no percurso.

Entre essas jornadas sempre encontramos alguns atalhos, que cabe a nós decidir se vai valer a pena ou não cortar uma parte de nosso objetivo, afinal de contas a felicidade momentânea pode ser alcança desta forma, simplesmente encurtando os objetivos e os remodelando, mas é sempre bom lembrar que a felicidade momentânea pode não ser a melhor solução para as dores e sofrimento, mas a possibilidade que esse estado permaneça por um longo tempo assusta qualquer pessoa.

Somos sempre muito imediatistas, queremos tudo ao alcance das mãos, e no momento que imaginamos queremos que se materialize esse imediatismo pode nos levar a lugar nenhum, pois eles são os atalhos. Para que uma coisa valha a pena e perdure com o valor da conquista, é necessário passar pelo longo caminho de obstáculos e questionamentos, para que se possa pensar e refletir sobre as questões que te levam a essa busca.

Passe por todos os espinhos sem desviar seu caminho, não tenha medo do que a vida pode te oferecer, pois sempre existirão pessoas que te ajudaram a se reerguer e orientar no labirinto, aceita suas verdades e suas vontades e faça delas um objetivo de vida.

A Origem: Absolutamente genial

A Origem estreou nos cinemas e já se consagrou como um dos filmes mais importantes do ano.

Estou a alguns dias pensando no que falar sobre esse filme, depois de ter assistido pela segunda vez resolvi colocar aqui minhas impressões

Com roteiro e direção de Christopher Nolan, um dos poucos cineastas que possui uma filmografia impecável, o longa-metragem une ação com um roteiro criativo, mas uma criatividade ainda não vista nas telonas pelo seu nível de complexidade na trama, trabalhada principalmente com fatores psicológicos. E isso é algo admirável para o gênero porque os efeitos especiais não representam o principal trunfo da produção, e sim como nos sentimos envolvidos a ponto de questionar se é possível acontecer o que a história apresenta e as relações que podemos fazer com nossa vivência. O elenco, encabeçado por Leonardo DiCaprio (Ilha do medo), é outro ponto positivo.

Cobb (DiCaprio) é um profissional que trabalha com uma atividade ilegal. Ele entrar nos sonhos das pessoas para conseguir informações importantes como senhas, códigos e outros dados que ficam no inconsiente da pessoa. A principal missão que ele recebe, contudo, não é extrair algo da mente e sim inserir uma idéia. Com uma equipe formada, ele aceita o trabalho por causa da recompensa: poder rever seus filhos pequenos.

A trama acompanha o Cobb reunindo um time que inclui Arthur (Joseph Gordon-Levitt, de 500 dias com ela), Ariadne (Ellen Page, de Juno), Eames (Tom Hardy, de RocknRolla) e outras pessoas, cada uma com uma importância específica na trama.

A vítima é Robert Fischer (Cillian Murphy, de O cavaleiro das trevas), que herdou uma grande empresa que coloca em risco a soberania de Saito (Ken Watanabe, de Memórias de uma gueixa).

Enquanto acompanhamos a fantástica aventura por dentro dos sonhos e as possibilidades de arquitetura que se encontra neles, o passado do protagonista é desmembrado aos poucos. É revelado o trauma que ele carrega por causa de Mal (a ganhadora do Oscar Marion Cotillard) e a relação com sua vida atual. Alguns momentos são de tirar o fôlego, seja por ser surreal (como lutas com a gravidade alterada) ou original (o universo criado dentro do subconsciente).

A trilha sonora impactante de Hans Zimmer enobrece ainda mais o resultado. A origem é um daqueles filmes que merece ser visto várias vezes. Não apenas pela complexidade do roteiro, mas pelas incríveis sequências que permanecem com quem assiste até mesmo depois que as luzes da sala se acendem. Veja o quanto antes!

Wish List

Hoje tive mais um de meus surtos e resolvi dar uma diversificada nos posts do blog, afinal de contas uma pessoa inconstante como eu sempre quer dar uma mudada, nem que seja na organização da mochila.

De hoje em diante vou dedicar minhas quintas-feiras a montar minha Wish List, o famoso eu quero.

Você que ta acompanhando o blog, deve ta pensando, pra que isso? Na verdade nem eu sei pra que isso, vou fazer e vê no que da, porque coisas cartesianas não me chamam atenção e uma hora vocês iam cansar de ler sobre relacionamento e afins sempre, então vamos dar um futilizada e colocar um pouco do mundo pop aqui também. Falem o que acharam da decisão e opinem sobre assuntos que gostariam de ler aqui e indiquem coisas legais para colocarmos na nossa Wish List.

Lacoste e os 60 anos de Charlie Brown

O Minduim comemora 60 anos e sabe quem resolveu homenagear esse famoso cartoon criado por Charles Shulz?  A Lacoste.

É a primeira vez que a marca incorpora outro desenho ao seu tradicional logotipo, e começa em alto estilo. As pólos apelidadas de Lacoste Peanuts vão ter a turma do Charlie Brown em situações hilárias com o crocodilo mais desejado do mundo, porque  inovar faz bem, e um pitadinha de humor na tradição nessa marca tende a alavancar ainda mais as vendas.  Claro que a edição é limitada, mas a má notícia mesmo é que as peças estarão a venda em outubro exclusivamente na Dover Street Market.

Apostas…

Sempre existem dois lados de um tabuleiro, podemos colocar de um lado o amor e do outro os amigos, mas qual lado tomar partido? Em quem apostar?

As escolhas, ao longo da vida, podem ser comparadas a um jogo de dados, pois os lançamos a cada escolha, e acreditando na sorte, assim como na vida. Quando as oportunidades aparecem, fechamos os olhos e caímos nas apostas sem medos ou preconceitos, a fim de saber onde vamos chegar, e isso é totalmente sadio. A sensação de aposta faz que se libere adrenalina em nossa corrente sanguínea e cada vez apostamos mais alto a fim de se aproveitar a vida e sentir essa sensação mais intensamente.

Nas jogatinas da vida, podemos perder um amigo no mesmo momento em que ele acredita na possibilidade de amar. Deixará de apostar de um lado da mesa junto aos amigos e começará a apostar apenas do outro, da sua companheira. Só tem um problema, quando o dinheiro acaba (amor) o apostador voltará a fazer parte do lado em que estava acostumado. Caberá aos amigos a grande decisão: Ele terá uma banqueta ainda para se sentar?

Quando sua aposta quebra, tudo o que você dedicou foi ao limbo, aparece àquela sensação de arrependimento, o que é normal do ser humano. Saiba que mesmo perdendo, muito se aprende novas artimanhas e malicia para as próximas apostas.

E sempre há a possibilidade para voltar a posição inicial de jogada e compartilhar o jogo novamente com os amigos, pois não será um nem duas que deixará seu lugar vago ao lado deles para apostas mais altas como um ‘amor’.

Não importa por quanto tempo deixe seu espaço vago ao lado de seus amigos, pois meses irão passar e os verdadeiros amigos irão permanecer. As visitas semanais voltarão as ser freqüentes. As apostas logo voltarão a ser feitas. O vício que gira em torno do mundo dos jogos é o mesmo vício que rege o amor. Muitas apostas, muitos romances, muitas pessoas, muitas noites de diversão.

O mais importante não é saber apostar, mas sim saber até onde você pode apostar, até onde você pode chegar, até onde vale a pena aquela aposta, até onde trocar os amigos que estávamos acostumados a jogar e passar para o outro lado da mesa.

Acho que toda essa volta é só uma forma de dizer que amigos serão sempre amigos e amores serão apenas amores, saiba ponderar, e não jogue o mundo pro alto por aventuras curtas.

%d blogueiros gostam disto: